sábado, 24 de novembro de 2012

Viajar sozinha:
Visitando as mesquitas de Istambul

Na Mesquita Azul, o espaço para os turistas 
é delimitado por um gradil. A separação 
é respeitada mesmo pelos visitantes muçulmanos

A pergunta que mais chega no e-mail da Fragata é sobre o astral de Istambul para mulheres viajando desacompanhadas. "Será que vou chamar muita atenção, sozinha num país muçulmano?” A resposta é não. Pode viajar sem receio. Falei bastante sobre isso em um post anterior (Viajar sozinha: Istambul sem neuras), mas não custa repetir: Istambul é uma cidade segura e muito cordial para as viajantes-solo. Os cuidados que devemos tomar são os mesmos recomendados para qualquer viagem— e para a vida cotidiana.

A Mesquita Nova. Ao fundo, à esquerda, o Bazar Egípcio
Uma pergunta, porém, me chamou a atenção: uma leitora indagava se seria tranquilo visitar as mesquitas, pois ela teria lido em algum lugar que os fiéis ficariam ofendidos com a presença de mulheres ocidentais em seus locais de oração. Francamente, não percebi nada disso nas visitas que fiz à belíssima Mesquita Azul e à Mesquita Nova, que recebem centenas de turistas, todos os dias.


Hora da prece na Mesquita Azul
Claro que há algumas regras a serem observadas. A mais óbvia refere-se ao traje. É preciso cobrir os cabelos, tirar os sapatos e vestir roupas discretas (nada de decotes, braços ou ombros expostos. Saia curta ou short, nem pensar). 

Quem estiver fora do “padrão" pode usar os lenços e “cangas” que os funcionários das mesquitas fornecem às visitantes.


O pátio interno da Mesquita Azul:
aqui o canto do muezim soa como mágica
Não basta, porém, adotar o figurino “modesto”. A manifestação de respeito — essencial para se visitar qualquer lugar de culto, não importa a religião — deve prosseguir na atitude: não fale alto, não invada o espaço destinado às orações e não fotografe as pessoas que estão rezando.

Detalhes do pátio interno da Mesquita Azul.
E olha só essa decoração do teto

As visitas às mesquitas são interrompidas durante as preces. Mesmo que você não consiga decorar o horário das orações muçulmanas — ao amanhecer, ao meio dia, à tarde (por volta das 16h), ao crepúsculo e à noite — é fácil saber quando as portas estarão fechadas: basta prestar a atenção no canto do muezim que ecoa pela cidade, reproduzido pelos alto falantes colocados nos minaretes.

Desde a primeira vez que escutei o chamado para a prece, fiquei encantada. Parece que ele percorre a cidade com uma força que parece calar o trânsito trovejante e o frenesi de turistas. É a memória mais bonita que me ficou de Istambul.

Antes das orações, os muçulmanos precisam se purificar com as abluções, como nesta fonte da Mesquita Nova


O interior da Mesquita Azul: apenas celestial

No dia que fui ver a Mesquita Azul, calculei o horário da visita para estar em seus jardins na hora do chamado para a oração do meio dia. E foi de arrepiar: até o vento ficou quietinho quando começou o pregão.

Fui para o pátio interno (mais uma prova do engenho da arquitetura muçulmana, tão fresquinho, apesar do calor inclemente do lado de fora) e fiquei ouvindo o canto do muezim. Depois, tive que esperar quase uma hora para poder entrar na mesquita, mas aqueles minutos mágicos valeram a viagem. Experimente e depois me diga se eu não tenho razão.

Aproveite o final de tarde para assistir ao sol caindo sobre as cúpulas da Mesquita Azul. Os banquinhos na Praça de Sltanahmet parece que foram colocados lá só pra isso
Todo mundo tem que tirar o sapato para entrar nas mesquitas. O piso da Mesquita Azul é recoberto por esse tapete tecido em fios de seda
Na Mesquita Azul, o espaço para os visitantes é delimitado por um gradil de madeira (há outro espaço delimitado para a oração das mulheres). É surpreendente a quantidade de homens muçulmanos que, por estarem na condição de turistas, ficam desse lado da divisória, mesmo enquanto fazem suas preces.

Perguntei a um rapaz que mora em Berlim por que ele, sendo um fiel do Islã, não ia rezar junto com os demais. Ele me disse que não se sentiria bem em fazer isso e depois sacar a câmera e sair fotografando a mesquita.

Detalhe da fachada da Mesquita Nova
Os interiores das principais mesquitas de Istambul são uma viagem em si mesmos. É possível passar horas, talvez dias, descobrindo detalhes delicadíssimos, imersa em belezas estonteantes. Não perca essas visitas por nada deste mundo (nem dos outros mundos 😊). Mesmo sozinha, garanto que você vai se sentir bem à vontade e bem vinda. É só seguir as regras de visitação.

Mesquita Azul
(Sultanahmet Camii) - Praça de Sultanahmet, a 200 metros da parada do bonde

A cúpula sobre a entrada de visitantes na Mesquita Azul
 Esta é talvez a mais bela das construções de Istambul (Santa Sofia, que fica em frente, do outro lado de uma larga praça, é a única capaz de rivalizar com ela). Linda por fora (eu já disse aqui na Fragata que até os cinzas de Istambul são exuberantes), tem um interior simplesmente arrebatador, com mosaicos azuis em cerâmica de Iznik e vitrais extremamente delicados. Foi construída no início do Século 17.

A Mesquita Azul pode ser visitada diariamente, a qualquer hora, exceto durante as orações. Nas sextas-feiras, dia sagrado para os muçulmanos, a interrupção para das visitas para as preces costuma ser mais longa.

A entrada é gratuita, mas é simpático deixar um donativo. Na entrada, é preciso tirar os sapatos, que devem ser carregados nos sacos plásticos distribuídos pelos funcionários.

Mesquita Nova 
(Yeni Camii) Rüstem Paşa Mh., Eminönü


Não se engane com o nome: esta mesquita começou a ser construída no final do Século 16, por ordem da mãe do Sultão Ahmed (o patrono da Mesquita Azul).

O Bazar Egípcio (ou Bazar de Especiarias) integra o complexo -- era comum que as mesquitas tivessem espaço para o comércio, como fonte de renda para manter o templo. Pode ser visitada diariamente, das 7h às 19h. A entrada é gratuita.

A Turquia na Fragata Surprise
Viajar sozinha: Istambul sem neuras
Museu de Arqueologia de Istambul
Santa Sofia e a Cisterna
Os palácios de Topkápi e Dolmabahçe
Duas dicas de hospedagem

Troia
Uma visita inesquecível aos cenários da Ilíada

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com A Fragata Surprise
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

2 comentários:

  1. oi Cyntia
    Já escutei muitas vezes seu nome, e hoje por acaso, me deparo com seu blog. Sou Ira, amiga e companheira de algumas viagens de Vivi.
    E também sou adepta dos voos solos, apesar de gostar das companhias dos amigos.
    Tudo parece que agora em junho embarco rumo a Turquia, que é um sonho acalentado por anos, e se não mudar os ventos irei só. Gostaria de muitas dicas. hotéis, roteiros e o que para mim é mais complicado nas viagens sozinhas, ver a noite local até mesmo jantar. se puder me conta suas experiências. Devo ficar 10 dias o que vc acha?.
    beijos e quando vier a Salvador e for encontrar Virginia, me dê um toque.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, Ira, dez dias na Turquia, que maravilha!! Eu amei Istambul e teria ficado mais tempo (boa desculpa para voltar), mas tive apenas três dias para ver a cidade, pq "roubei" um dia para ir a Troia.
      Eu achei Istambul muito tranquila, inclusive no capítulo "sair à noite". Já não sou muito baladeira, então, não posso falar sobre noitadas. Mas a saidinha básica para jantar e ver a cidade (acho que a Mesquita Azul sob a luz da lua foi uma das coisas mais bonitas que já vi) é bem segura e tranquila.
      Para ficar mais perto de restaurantes interessantes, talvez seja melhor você se hospedar em Taksim. Veja as dicas neste post aqui:
      http://www.fragatasurprise.com/2012/10/hospedagem-em-istambul.html

      Bjs e qq coisa, estou por aqui

      Excluir