segunda-feira, 20 de junho de 2011

Santos X Peñarol:
A final da Libertadores em Montevidéu

Será que o Puyehue estava jogando junto com os alvinegros?
(Foto: Diário El País)
Adoro meus amigos do jeito que eles são. Isso significa apoiar e vibrar com suas viagens e "viagens", por mais estranhas que elas pareçam. Por exemplo, Glauco Eggers, um santista tão fanático que foi capaz de atravessar o continente e desafiar até um vulcão, só para assistir a um jogo dos Anos 60.

Santos e Peñarol começaram a decidir a Taça Libertadores da América na última quarta-feira. Um clássico vintage, disputado numa Montevidéu sempre deliciosamente retrô. O jogo,  zero a zero, até que foi empolgante — com várias materializações do Sobrenatural de Almeida, salvando alguns gols feitíssimos de ambos os times.

Sua Alteza Vulcânica, o Puyehue, em ação
(Foto: Newscientist)
Mas nada do que rolou em campo foi páreo para as aventuras pré-jogo da torcida do Santos, que comeu o pão que o diabo amassou para chegar a Montevidéu: a erupção do Vulcão Puyehue provocou o cancelamento de centenas de vôos no Sul do continente, levando ao desespero quem queria acompanhar o time das arquibancadas do Estádio Centenário.

Dando sequência à série “Viagens dos Meus Amigos”, a Fragata Surprise orgulhosamente apresenta o relato de Glauco Eggers sobre suas peripécias rumo ao tricampeonato da Libertadores — título que meu São Paulinho já ostenta desde 2005. Veja a seguir a primeira parte dessas aventuras:


Vamos ser Tri, Santos!!
Por Glauco Eggers 

Glauco (à esquerda) 
na Rodoviária de Montevidéu.
Para ver a matéria do Lancenet, clique aqui

"Minha querida amiga Cyntia, editora, fotógrafa, jornalista e dona deste blog já havia me convidado a escrever algo sobre Ushuaia. É um compromisso sem data marcada, para ser cumprido, talvez, após um retorno à Patagônia.

"Antes, porém, vou contar sobre a viagem que me levou a Montevidéu, as pessoas que conheci e o motivo da viagem — que, uma semana antes, era só uma possibilidade. Ou poderia ter um outro destino, como Santiago ou Buenos Aires. Depois de pensar muito sobre o título do conjunto desses relatos, cheguei ao único que sintetiza tudo: “Vamos ser tri, Santos!”.

"Saí de João Pessoa, onde moro, dia 11 de junho. Fiz uma breve parada em São Paulo, de onde sou natural, e parti para Montevidéu, no dia 13. Até Porto Alegre, de avião. Da capital gaúcha, tive que seguir de ônibus, por causa das cinzas do Vulcão Puyehue, que paralisaram o tráfego aéreo no Sul do Brasil, no Uruguai, na Argentina e no Chile.

"Doze horas de Porto Alegre a Montevidéu, para ver o Santos enfrentar o Peñarol, na primeira partida da final da Libertadores da América.
O palco do primeiro jogo do tri
(Foto: Glauco Eggers)
"Os mapuches, que partilham o território do Puyehue, reconhecem que os vulcões estão no Andes muito antes deles. Em vez de reclamar das cinzas, fizeram uma cerimônia para acalmar o espírito que acreditam residir na montanha, o Pillán do Puyehue. Dizem não compreender o porquê de sua atual ira. Os mapuches entendem mais de vulcão do que eu, mas, desta vez, é possível que eles não tenham todos os elementos para interpretar o Pillán.

"Hue (fala-se ) significa lugar, localidade, região. Puye é um tipo de peixe, parecido com as sardinhas — como os rivais, às vezes, se referem aos santistas. Puyehue é “o lugar dos peixes”. Talvez o Pillán, longe de irado, esteja feliz: iniciou suas atividades logo após a confirmação das equipes que disputam as finais da Libertadores 2011. Reduziu a atividade na madrugada do dia 14, abrindo uma janela para o Santos chegar de avião a Montevidéu. Faz sentido: os mapuches consideram o espírito do Puyeuhe uma entidade benigna.
Esse fumacê não tem nada a ver com o vulcão. É a torcida do Peñarol, mandando ver com os sinalizadores
(Foto: Diário El País)
Informações práticas: Duas empresas de ônibus fazem o trecho Porto Alegre-Montevidéu, a TTL (Transportes Turismo Ltda) e a EGA (Empresa General Artigas). Ambas cobram R$ 157,00. Escolhi a segunda, que oferece o jantar e o café-da-manhã a bordo, reduzindo o número de paradas e o tenpo de viagem — são 12 horas na EGA e 14 na TLL. É uma boa economia de tempo, mas pode desesperar quem deseja dar alguns passos do lado de fora do ônibus ou fumar. Nesse caso, aproveite a parada nas aduanas, em Chuí. É a única chance em toda a viagem. A duração do percurso pode variar um pouco, por conta das condições climáticas e do tempo de espera nas aduanas brasileira e uruguaia.
Mais sobre Montevidéu

Dicas gerais
Meu roteiro por Montevidéu, Punta, Colonia e Buenos Aires
Dicas práticas – como chegar, circular e onde ficar
Salva por um Chivito – o clássico sanduba da Banda Oriental
O diário de Pantagruel no Prata – uma farra gastronômica
“Jugosa, por favor!” Comer bem em Montevidéu
Livros, discos...as melhores compras em Montevidéu e Buenos Aires

Passeios
O charme de uma cidade cativante
Feira de Tristan Narvajas, o Bazar "del Oriente"
Museu Torres-Garcia – descubra um artista maravilhoso
Uma cidade que adora ser retrô
Um giro pela Cidade Velha

O Uruguai na Fragata Surprise
Colónia del Sacramento
Montevidéu
Punta del Este

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário