terça-feira, 22 de março de 2011

Barcelona de Gaudí:
Sagrada Família, a lagosta lisérgica

Interior da Sagrada Família
Música deste post: A Whiter Shade of Pale,  Procol Harum 

- Que filho da mãe!!

OK, concordo que a linguagem não é das mais polidas — ainda mais que a frase escapou no interior de um templo religioso... Entretanto, o que mais eu poderia dizer, diante das colunas com olhos de ET e das estrelas que se agarram ao teto como mariscos na rocha, no interior da Sagrada Família?

Quando a gente vai visitar uma obra de Gaudi, já vai esperando o belo-desconcertante. A Sagrada Família, porém, é um desafio (eu ia dizer "provocação"), daqueles de mãos-nas-cadeiras e batidas de pezinho. É como se Guilherme de Baskerville tivesse jogado o chá de lírio de Berlinque no caldeirão de sopa da Abadia: gótico-lisérgico, com direito àquelas cores meio cítrico-neon.

Por fora, a Sagrada Família lembra  aqueles castelinhos de areia que a gente faz na praia. E, sim, ela ainda está em construção — desde 1882. Alguns visitantes ficam desapontados com isso, mas lembre-se que Notre Dame levou 200 anos para ficar pronta
Eu só conhecia o templo por fora — as filas de Barcelona exigem uma resignação que eu não possuo. Sempre tive a maior simpatia por aquelas torres, iguaizinhas às dos castelinhos que a gente faz na praia, deixando escorrer a areia molhada, como glacê de bolo.

O interior da Igreja, porém, me deixou muda — riso nervoso não conta. Às vezes, obra de arte têm dessas coisas: o prazer meio incomodado da contemplação, como apertar aquele nozinho de músculo em cima da costela, depois de dormir de mau jeito.

O Crucifixo
A "barriga da lagosta"
A Sagrada Família seria "fácil" se Gaudi fosse ateu. Seria um equivalente arquitetônico a uma cena de Buñuel — e nem é muito difícil imaginar a Vanguarda Armada Revolucionária Menino Jesus fazendo uma reunião clandestina na cripta do templo. Mas Gaudi era devotíssimo. Ainda assim, o cara já começa a pirraça colocando o claustro do lado de fora da igreja...

Buñuel não é o único cineasta a me acompanhar nesta visita. Se ontem eu achei que George Lucas copiou o visual das tropas do Império das chaminés de La Pedrera, hoje fiquei convencida que a Sagrada Família deve ter inspirado mais de um cenário de Star Wars.


Mas eu pensei mesmo foi na TV da minha infância. Olhando para o teto da Sagrada Família, era inevitável a sensação de estar numa cena de Viagem ao Fundo do Mar, passeando sob a barriga de uma daquelas lagostas gigantescas que sempre tentavam detonar o submarino do Almirante Nelson — lagosta com LSD combina?

E o mais impressionante é que tudo isso tem uma suavidade indescritível....

Se eu gostei? Amei. A Sagrada Família é arrebatadora. Mas, cá pra nós, acho que a delicadeza nunca foi tão desaforada.

Detalhes do Claustro

A fachada do Nascimento
Dicas práticas
Basílica de la Sagrada Família


Vai ter fila, vai ter muvuca,mas vai valer a pena
O acesso à igreja é pela Carrer de Sardenya. Metrô: Estação Sagrada Família.
Diariamente, das 9h às 18 (outubro a março). De abril a setembro, fecha às 20h. Entrada: 12.50 €, (com audioguia, 16.50 € ). Para o acesso às torres, são cobrados mais 4 €, que devem ser pagos na bilheteria, antes de entrar.

A subida atualmente só pode ser feita pelo elevador. Preste atenção ao horário pré-estabelecido no tíquete. Nós entramos na igreja às 14 horas, mas só pudemos subir à torre às 16:10, que era a nossa hora marcada. A descida pode ser feita pelo elevador ou pelas escadas.

A vista de uma das torres da igreja
No subsolo da Basílica funciona um museu muito interessante, com maquetes, projetos e plantas da construção.

A Sagrada Família está em construção há 129 anos e a conclusão das obras está prevista para 2026, centenário da morte de Gaudi.


Mais sobre Barcelona
Dicas gerais
Combinação perfeita: roteiro: Barcelona, Girona e Carcassonne
Onde comer: Mercado de La Boqueria e dicas de restaurantes
Fideuás, pão com tomate... os sabores da Catalunha
Três cafés em Barcelona (mas eu só quero chocolate...)
Hospedagem barata e simpática: duas opções
Uma semana em apê alugado no Raval
Fim de ano em Barcelona: prepare-se para a muvuca

Vitrais e,à direita, os tubos do órgão da igreja
Passeios e atrações
Como é um dia de jogo do Barça na cidade
O 8 de Março, com direito a uma senhora passeata feminista
Um passeio pelo bairro do Raval
Barcelona de Gaudi: uma vista à Casa Milà
Minha Barcelona preferida: o Bairro Gótico
Um roteiro para mergulhar na alma marítima de Barcelona


A Espanha na Fragata Surprise
Andaluzia: CádisCórdobaGranadaRonda e Sevilha
Castela e La Mancha: Toledo
Catalunha: Girona Tarragona
Galícia: Santiago de CompostelaCaminho de Santiago e cidades da rota

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

8 comentários:

  1. Ela é realmente linda, uma das poucas igrejas do mundo que eu não liguei de pagar pela entrada. A fila me incomodou também, mas depois fiquei feliz por ter enfrentado o desafio.

    Tem quem diga que a Sagrada Família é um cenário de A Pequena Sereia. =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sabia sobre essa história da Pequena Sereia, mas com certeza tem algo de marinho naquela arquitetura, Rafael. Acho que nunca fiquei tão feliz de ter encarado uma fila na minha vida. Abs

      Excluir
    2. Cyntia, foi um dos lugares mais lindos e encantadores que conheci...emocionante...as lágrimas rolaram.
      Gostaria apenas de deixar uma dica...como em muitos monumentos na Europa...é possível comprar as entradas pela internet. Além de não pegar fila alguma..economiza um tempão para aproveitar melhor a viagem. Giovanna

      Excluir
    3. Pois é, Gigi, mas eu sou meio chata com essa história de comprar ingresso com antecedência, acho que amarra muito o roteiro e gosto de poder mudar de planos. Só em situações indispensáveis, como na visita à Alhambra, compro a entrada antes...

      Excluir
  2. qdo fui, parecia que Osaka td estava dentro da igreja!
    tinha mais japoneses que turistas! rs
    mas a impressão que me passou foi que, Galdi, fez uma obra pra mostrar o quão gde pode ser a criatividade humana, inves de quão pequenos somos diante dos céus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que vc tem razão, Marcelovich. A Sagrada Família é fascinante exatamente por exaltar o humano.

      Excluir
  3. Amei! Adorei qdo vc falou que o teto parece a barriga de uma lagosta. Nem tinha pensado nisto. :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eram muitas referências visuais, Cris. Prova que Gaudi inspirou e continua inspirando muitos criadores. Uma obra maravilhosa e instigante -- como Barcelona toda, aliás :)

      Excluir